09 julho, 2018

AZEVEDO, Arthur - O BADEJO. Comedia em 3 actos, em verso. [Por]... Da Academia Brasileira de Lettras. Rio de Janeiro, Imprensa Americana : Fabio Reis & Comp., [1898]. In-8.º (18x10cm) de [6], 92, [4] p. ; E.
1.ª edição.
Comedia em três atos, em verso. Representada pela primeira vez no Rio de Janeiro, no theatro S. Pedro de Alcantara, no dia 15 de Outubro de 1898, por iniciativa do Centro Artistico, pelo corpo scenico do Elite-Club.
Sobre O Badejo, com a devida vénia, reproduzimos um excerto da Tese de Doutoramento de Larissa Neves: "Ao criar um texto voltado para a apreciação de um público culto e restrito, escreveu a peça em versos, elemento capaz de valorizá-la literariamente aos olhos da platéia letrada; no entanto, ao compor os versos, não se esqueceu do trabalho do ator: a versificação de O Badejo favorece a representação, porque os versos são simples, compostos com palavras do cotidiano, que facilitam a declamação e o entendimento. [...]
A comédia tornou-se assunto corrente nas páginas dos jornais até dezembro. Após a apresentação no festival do Centro Artístico, O Badejo, além de ser impressa - o que expandiu o conhecimento da comédia para intelectuais impossibilitados de assistir às récitas - integrou um espetáculo especial em homenagem a Martins Pena, no teatro Variedades. [...] Depois da homenagem, a companhia Dias Braga tentou manter O Badejo em cartaz, mas a falta de público obrigou-a a substituir rapidamente a peça."

(NEVES, Larissa de Oliveira, As Comédias de Artur Azevedo - Em Busca da História, Universidade Estadual de Campinas, 2006)
Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo (São Luís, 7 de julho de 1855 - Rio de Janeiro, 22 de outubro de 1908) foi um dramaturgo, poeta, contista e jornalista brasileiro. Ao lado de seu irmão, o escritor Aluísio Azevedo, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Tendo escrito milhares de artigos sobre eventos artísticos e encenado mais de cem peças no Brasil e em Portugal, Azevedo foi um dos maiores defensores da criação do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, cuja inauguração ocorreu meses depois de sua morte."
(Fonte: wikipédia)
Encadernação em meia de percalina com ferros gravados a ouro. Conserva as capas de brochura.
Exemplar em bom estado de conservação.
Invulgar.
15€
Reservado

Sem comentários:

Enviar um comentário