08 maio, 2018

SOMBRIO, Carlos - HERMINISMO. (Conferência). Separata do jornal «A Voz da Serra». Seia, Edições «Montes Hermínios», 1949 [na capa, 1950]. In-8.º (21,5cm) de 40 p. ; il. ; B.
1.ª edição independente.
Interessante conferência pronunciada a 3 de Maio de 1942, no Colégio Dr. Simões Pereira, em Seia. Mais tarde, para efeitos de impressão, o texto foi revisto pelo autor que no entanto viria a falecer pouco tempo depois. A sua publicação visa perpetuar a  alocução, mas também homenagear Carlos Sombrio como grande amigo e divulgador da Serra.
Livro raro, por certo com tiragem reduzida, ilustrado com dois retratos do autor, e bonitas vinhetas tipográficas.
"«Herminismo» é, incontestàvelmente, um poema rescendente de harmonia e ritmo, de luz e de cor, de humanismo e de requintado impressivismo, sensorial de realismo e de verdade...
Assim, a conferência proferida por Carlos Sombrio, - talento cintilante, alma ardente e sedenta de vôos de beleza que à Nossa Terra tem devotado carinhos de enamorado - não podia deixar de ser, como foi, uma fonte cachoante de emoções, um caudal de sensações espirituais, qual delas a mais vivida e qual delas a mais penetrante.
Não nos surpreendeu, mas avassalou-nos, subjugou-nos, arrebatou-nos o seu fervor de crente em oração perante o grandioso altar da Montanha.
Carlos Sombrio, não impressiona tão sòmente pela riqueza superabundante do seu estilo ou pela elegância da sua palavra. Prende e empolga antes pela sua sensibilidade vibrante, pelo saudismo que palpita nas suas evocações, pelo arroubamento quáse místico que se irradia, que se reanima e se comunica através do inflamado calor que toma a sua voz.
Sente connosco. Sentimos com êle."
(Excerto de Uma conferência - Um escritor - Uma obra..., por António Aragão)
"Na ânsia insatisfeita de desvendar mistérios, o homem é um eterno e impenitente sonhador. Anseia e deseja, inquieta-se e tortura-se. Foi inicialmente essa inquietação e essa tortura que em tempo distante, aqui me trouxeram, pela primeira vez, à Serra.

Trazia no coração o alvoroço de todas as esperançosas quimeras, e na alma a sêde ardente de desvendar lindezas que antevira em ilusórios sonhos. Deixara o mar, onde em menino e môço aprendera, na tristeza das suas queixas, na dolência das suas amorosas baladas, a amar a contemplação e a entender a emotividade das coisas.
O combóio trouxera-me de longe encantado e prêso à atraente altivez da Serra e poisara-me num dos degraus da Montanha. Anoitecia no Mundo, - e dentro de mim.
A Serra, na sua sedução feiticeira, fàcilmente aprisionaram o espírito do desconhecido que se abeirava do seu abrigo, - que se fazia inquilino da sua graça perturbante, da sua atraente beleza."
(Excerto de Louvor)
Matérias:
- A única razão.. - Uma conferência - Um escritor - Uma obra... - Conferência: # Louvor; # Do herminismo - sentimento eterno; # A Beira, as suas belezas, as suas gentes, na voz dos prosadores e na lira dos poetas; # O espírito serrano numa tríplice personificação de exemplo: a altivez, a heroicidade e a abnegação; # In perpetuum.
Carlos Sombrio, pseudónimo literário de António Augusto Esteves (Figueira da Foz, 1894-1949). "Proprietário de um estabelecimento de ourivesaria e relojoaria na Praça Nova (Praça 8 de Maio), iniciou a sua atividade literária no jornal “A Voz da Justiça”. Desde 1920 e quase até ao fim da vida, foi um colaborador ativo da imprensa portuguesa, dispersa por quase uma centena de periódicos de todo o país, e manteve páginas literárias nos jornais “Gazeta de Coimbra” e “Notícias de Gouveia”.
Praticou remo, como timoneiro, na Associação Naval 1º de Maio, da qual foi, em 1920, nomeado sócio honorário e de cuja biblioteca foi patrono. Proferiu inúmeras conferências e organizou saraus artísticos memoráveis, alguns dos quais transmitidos pela antiga Emissora Nacional. A sua vastíssima produção literária abarcou diferentes géneros: contos, crítica e divulgação dos mais diversos autores, poesia, teatro (principalmente operetas e outras peças musicadas), inúmeros prefácios, textos acerca de desportos náuticos, biografias, estudos de história local, propaganda turística, entre outros."

(Fonte: http://diversosdicaseditos.blogspot.pt/2014/07/recordando-carlos-sombrio-no-120.html)
Exemplar brochado em bom estado de conservação. Capas ligeiramente oxidadas.

Raro.
A BNP dispõe de apenas um exemplar no seu acervo.
Indisponível

Sem comentários:

Enviar um comentário