10 abril, 2018

O ACORDO ORTOGRÁFICO LUSO-BRASILEIRO de 10 de Agosto de 1945. Com um Índice organizado por Sebastião Pestana e um Pequeno Vocabulário Extraído das 51 Bases. «Não se consentem grafias duplas ou facultativas. Cada palavra de língua portuguesa terá uma grafia única». - PELA UNIDADE DA LÍNGUA PORTUGUESA. Lisboa, Edição da Revista «Ocidente», 1945. In-4.º (25,5cm) de 57, [3] p. ; B.
1.ª edição.
Relatório da Conferência Interacadémica de Lisboa. Importante subsídio para a história dos acordos ortográficos entre Portugal e Brasil, questão momentosa e fracturante, sujeita a diferentes análises e interpretações dos mais diversos quadrantes políticos e culturais dos dois países.
Contém o Decreto n.º 35.228 (5 artigos) de 8 de Dezembro de 1945, que aprova o acordo de 10 de Agosto de 1945, resultante do trabalho da Conferência Interacadémica de Lisboa, para a unidade ortográfica da língua portuguesa, subscrito por António Óscar de Fragoso Carmona, António de Oliveira Salazar e José Caeiro da Mata.
"Em cumprimento do que ficou resolvido em 6 de Agosto do corrente, na nona sessão conjunta das duas delegações à Conferência Interacadémica de Lisboa, a comissão de redacção, abaixo assinada, apresenta o seu relatório, em que se define a orientação a que obedeceram os trabalhos e se resumem as conclusões unânimemente aprovadas pelas duas delegações, a fim de se eliminarem, as divergências verificadas entre os vocabulários das respectivas Academias, resultantes do Acordo de 30 de Abril de 1931 e publicados em 1940 e 1943."
(Documento n.º 1)
Exemplar brochado em bom estado de conservação. Ténues vestígios de humidade no pé do livro, visível pelo "ondulado" de algumas da suas folhas.
Invulgar.
Com interesse histórico.
15€

Sem comentários:

Enviar um comentário