12 maio, 2017

AMARAL, Abílio Mendes do - OS PASTORES DA SERRA DA ESTRELA : Etnografia - Foro - Privilégios - Transumância. Viseu, Separata da Revista «Beira Alta», 1970. In-8.º (22,5cm) de 44, [4] p. ; [5] p. il. ; B.
1.ª edição independente.
Interessante monografia sobre o pastoreio e os pastores da Serra da Estrela. Ilustrada em extratexto com bonitas estampas a p.b. impressas sobre papel couché.
Valorizada pela dedicatória autógrafa do autor ao Prof. Amorim Ferreira.
"Os nossos pastores tinham o privilégio de usar armas. Evidentemente, o cajado seria a sua primeira arma... e até talvez a única de qua agora se sirvam. Toda a gente conhece a significação desta frase corrente, a propósito de qualquer barulho ou alvoroço: «ele andava armado».
E assim, os pastores foram andando com os tempos, fazendo uso, dentro dos seus privilégios, das armas que os fabricantes iam aperfeiçoando e chegavam ao mercado. O arcabuz era arma de fogo e devia ser terrível no seu tempo. Os pastores foram autorizados a servir-se dele.
Naturalmente, sem preconceito ou esforço, em muitos aspectos da vida, toda a gente se mantém a la page. Por necessidade ou para não ser estorvilho dos outros. Nessa ordem de ideias, aí temos a espingarda de pederneira, mais rápida e mais cómoda (façam ideia!), por dispensar a corda ou o morrião.
Ao restabelecer-se a nossa independência, logo D. João IV manda passar o Alvará de 20 de Fevereiro de 1641, autorizando que os nossos pastores possam munir-se, além dos arcabuzes, das ditas espingardas de pederneira. E, para sua segurança, que os Oficiais de Justiça, Alcaides mores, Capitães mores lhes dêem todo o favor de que para isso tiverem necessidade." [Segue-se a reprodução do Alvará].
(excerto do Cap. IV, Armas para defesa e segurança)
Matérias:
I - Estruturação e Etnografia. II - Vida difícil da transumância mas amparada por magistratura privativa. III - As cortes e os reis concedem privilégios. IV - Armas para defesa e segurança. V - Pela Conservatória e Desembargo do Paço. VI - E tinham o seu alcaide. VII - Havia um Recebedor dos dinheiros pagos pelos sorianos vindos de Castela. VIII - Já D. Afonso V tomou sérias e duras providências. IX - As cartas régias eram publicadas nos povos sitos no caminho.
Exemplar brochado em bom estado de conservação.
Muito invulgar.
Com interesse histórico, etnográfico e social.
indisponível

Sem comentários:

Enviar um comentário