18 março, 2017

FERREIRA, Reinaldo - HOMENS DO DIA E MULHERES DA NOITE. [Memórias do reporter X]. Lenine - Mussolini - Raquel Meller - Rasputine - Mata-Hari. Porto, Albatroz Editora, 1926. In-8.º (19,5cm) de 207, [1] p. ; il. ; B.
1.ª edição.
Curioso conjunto de curtas biografias de algumas das mais marcantes figuras do século XX, - pela pena inconfundível do Repórter X.
Ilustrado com uma caricatura de cada um dos biografados.
"Como daí, da bancada dos leitores poucos serão os que me surpreenderam nesta labuta infernal, quotidiana, que dura já há dôze anos, atafulhando quartos de papel, escrevendo pelos eléctricos, pelos cafés, nos bufetes de estação e nos «fumoirs» dos barcos; nesta lufa-lufa de viagens, neste vai-vem da gare que me conduz ao Mundo e da gare que me conduz de novo a esta terra - vivendo como uma «pelota» basca que é atirada contra a parede e que volta à «raquette» que a expediu - é preciso que eu os previna, que as minhas «memórias» são apenas reportagens, reportagens que se espalharam, como cartas de jogar lançadas ao vento e hoje se reunem em baralhos.
Dessas reportagens, o maior número são as inéditas, as proibidas, as que eu fiz na antecipada certeza de que não seriam bem acolhidas pelos jornais. São as «fotos» impressionadas à franco-atirador; surprezas dos alçapões; bisbilhotices e inquéritos conseguidos nos subterrâneos da minha vida de reporter andante; - «clichés», em suma, que estiveram guardados na «camara escura» das malas, à espera da oportunidade para o banho da revelagem."
(excerto do preâmbulo, Memórias?)
Índice:
Memórias? [Preâmbulo]. Rasputine: I - A Pasta das Surprêzas; II - O russo do calabouço 8; III - O malefício; IV - O enigma; V - O assassinato do Homem Imortal. Raquel Meller: I - Aquela que as rainhas invejam; II - O segrêdo de Raquel. Mussolini: I - História e heroísmos da imprensa clandestina; II - "Ela", e o Ditador; III - A espionagem do Ditador; IV - A história e o segrêdo dos quatro atentados. Mata-Hari: I - A revisão do processo; II - Onde encontrei Mata-Hari; III - A vida-folhetim de Mata-Hari; IV - As vítimas da espionagem- Lenine: I - Lenine, eremita...
Reinaldo Ferreira, sob o pseud. Repórtex X (Lisboa, 1897 - Lisboa, 1935). “Considerado desde cedo como um prodígio do jornalismo, Reinaldo Ferreira já era reconhecido como repórter importante aos 20 anos. Viveu e trabalhou na Espanha, na França e na Bélgica. Diz-se que a sua invulgar imaginação era fortemente impulsionada pela morfina, vício por si mesmo assumido em 1932 no volume Memórias de um ex-morfinómano, escrito depois de uma desintoxicação. Muito cedo deixou que a sua imaginação mistificasse os leitores, apresentando ficção como realidade. Por exemplo, escreveu uma reportagem sobre a União Soviética sem nunca lá ter ido, e publicou uma série de cartas no jornal O Século, sob o pseudónimo Gil Goes, sobre um crime macabro que teria ocorrido na Rua Saraiva de Carvalho, em Lisboa. Em 1930, fundou o jornal Repórter X, designação que já usava como pseudónimo. O jornal granjeou sucesso com grandes tiragens. Era pois uma conhecida figura no meio jornalístico e literário da época, tendo sido amigo íntimo de Mário Domingues. Destacou-se também como produtor e realizador, tendo fundado uma produtora cinematográfica e dirigido três longas-metragens: O groom do Ritz, O táxi 9297 e Rito ou Rita. Publicou dezenas de volumes de ficção policial e de aventuras, assim como folhetos semanais com a mesma temática. Criou várias personagens marcantes, nomeadamente O mosqueteiro do ar (1933), personagem que se assemelhava com o Super-homem norte-americano, embora tenha surgido antes (a primeira banda-desenhada do Super-homem seria apenas publicada em 1938).”
(Fonte: http://fcsh.unl.pt/chc/romanotorres)

Exemplar brochado em bom estado de conservação. Capas ligeiramente oxidadas.
Invulgar.
15€

Sem comentários:

Enviar um comentário