12 janeiro, 2017

CABRAL, Heitor - OS ESTADOS UNIDOS DA LUSITANIA. Conferencia por... Horta, Empreza Tipográfica Faialense, 1932. In-4.º (25cm) de [2], 130 p. ; B.
1.ª edição.
"Neste longo e exaustivo trabalho, que em subtítulo é apresentado como tendo sido uma “Conferência” – por certo jamais pronunciada! - Heitor Cabral repercute também o que se passou em Portugal nos anos vinte do século passado, em que sobressaíram o agonizar da Primeira República, a Revolução de 1926, a tremenda crise política, económica e financeira que assolou o País e o choque das ideologias que a pretendiam solucionar. E, caso curioso, a gesta da expansão quinhentista continuava presente, agora no pressuposto de que só poderíamos salvar as nossas colónias africanas e asiáticas com a criação de um Estado de língua portuguesa em que o grande protagonista seria o Brasil, a maior de todas as nossas ex-possessões ultramarinas."
(FARIA, Fernando in tribunadasilhas.pt)
Curioso projecto desenvolvido pelo autor para a unificação dos países de língua portuguesa. Segundo Cabral Heitor, tal como as outras nações coloniais, Portugal deveria assegurar a sua esfera de influência junto das colónias. "As colónias quando atingissem o grau de desenvolvimento preciso, para só por si se poderem administrar, tornar-se-iam independentes à semelhança de Portugal e Brazil, mas ficando sempre elementos dos E. U. L. [Estados Unidos da Lusitania], isto é, continuando-se a montar a união por intermédio das suas conferências anuais. Assim, os E. U. L. ficariam formados por uma república federal (Brazil), uma república unitária (Portugal) e 8 dominios coloniais, a sua capital seria o Rio de Janeiro e haveria um Presidente dos E. U. L.".
No ponto IV do capítulo II, o autor refere ainda a possibilidade de uma união europeia - Os Estados Unidos da Europa - "outra concepção baseada nas vantagens do mesmo princípio - a união", pelo menos no campo económico, tomando como exemplo a experiência norte-americana, empresa de que, no entanto, o autor duvida, por não ser do interesse do «império britânico».
Matérias:
Introdução. I - A unificação dos Lusitanos: I. Desenvolvimento da natalidade. II. Colonisação com povos da mesma raça. III. Colonisação com povos de raças diferentes. IV. Fusão de estados pertencentes a povos de raças diferentes. V. Fusão de estados pertencentes a povos da mesma raça.
II - Vantagens da grande Lusitania: I. Portugal colonial. II. Portugal insular. III. Portugal europeu. IV. Portugal Brasileiro. III - Os Senhores do Futuro: I. Os Lusitanos. II. Os Espanhóis. III. Os Franceses. IV. Os Italianos. V. Os Britanicos. VI. Os Iankes. VII. Os Russos. VIII. A raça amarela. IX. Os Germanos.
Heitor Dias Cabral (1891-1976). “Nascido na freguesia da Matriz da ilha do Faial a 24 de Novembro de 1891, Heitor Dias foi aluno diligente e aplicado no Liceu da Horta e na Universidade de Coimbra onde se diplomou nas faculdades de Matemática e Filosofia. Em 1913 ingressou na Faculdade Técnica da Universidade de Liége, a fim de tirar o curso de engenharia electrotécnica. Encontrava-se nessa cidade belga quando deflagrou a Grande Guerra. “Invadida a Bélgica e atacada Liége, conseguiu passar à Holanda, donde, depois de larga odisseia, alcançou regressar a esta cidade da Horta”. Aqui permaneceu algum tempo, exercendo “com reconhecida competência os lugares de professor provisório do Liceu” (1919) e de secretário da comissão administrativa do Município da Horta. Terminado o conflito mundial, Heitor Dias Cabral voltou a Liége em 1920. Aí completou a sua formação em engenharia e em 1922 já estava novamente na ilha do Faial. Numa época em que poucos eram os cidadãos com formação académica superior, Heitor Cabral, “que sempre gozou da melhor reputação e da mais elevada estima pública”, facilmente ocupou posição de destaque na sociedade faialense.”
(FARIA, Fernando in tribunadasilhas.pt)
Exemplar brochado, por aparar, em bom estado geral de conservação. Com pequeno trabalho de traça na parte superior do livro, sem afectação do texto. São também visíveis dois pequenos furinhos na capa e nas primeiras 40 páginas, fruto da pressão de um objecto pontiagudo contra o livro.
Raro e muito interessante.
25€

Sem comentários:

Enviar um comentário