21 junho, 2017

MARTINS, Tito - POR UM OCULO... Lisboa, Guimarães & C.ª - Editores, 1917. In-8.º (19cm) de 184, [2] p. ; B.
1.ª edição.
Conjunto de crónicas sobre a Grande Guerra.
"São em numero de 35 os vapores alemães que as contingencias da guerra reteem no Tejo, transformando-os em prisioneiros voluntarios, visto como a sua saida do nosso porto representaria fatalmente, para eles, o aprisionamento forçado. Dão assim a Deus por bem, o que, em todo o caso, teriam de dar ao diabo por amor de Deus... - o que quer dizer que o seu cativeiro não deixa de ser cativeiro, e, consequentemente, de confranger a alma de quantos teem pela Liberdade por unico ideal a que valha a pena, no mundo, consagrar culto.
Sei bem que são alemães, como quem diz reprobos, predestinados do Inferno em que eles proprios transmutaram a Terra. Tal idéa, porém, não atenua, no meu espirito, a impressão dolorosa despertada pelo espectaculo d'esses navios que se alinham rio em fora, sem que uma restea de fumo acuse n'eles a vida que ainda ha pouco resfolgavm, aos borbotões, pelos canos das chaminés, sem que um unico silvo se lhes escape das valvulas, traduzindo ao menos um suspiro de dôr, o que ainda seria sinal de que viviam.
Não! Tudo n'eles é silencio e imobilidade... Ora, se a morte é a imobilidade, a imobilidade não é menos a morte!..."
(excerto de A voz dos mastros)
Índice:
Introdução; O agio do oiro; A gréve das uvas; Um sonho; Pró Germania!; Era uma vez...; ... por um cabelo; Von Schulz, general dos hunos; A Danaide belga; Duas tiranias; Poeira o mar; O cêrco de Paris; Aliados do Diabo; As mães portuguezas; O Corsario de Oiro; A alliada de... todos; Variações sobre o mesmo tema; A voz dos mastros; Cartas d'um reservista; A morte do «kaiser».
José Augusto Tito Gonçalves Martins (Lisboa, 1868-1946). "Iniciou a sua carreira de jornalista no jornal "Interesse Publico". Tinha então 18 anos e nunca mais parou. Passou pelo "Imparcial", de Tomás Ribeiro; o "Correio Nacional", do Padre Matos; o "Diário Popular", de Mariano de Carvalho; a "Semana de Lisboa", de Alberto Braga (supl. do "Jornal do Commercio"); O "Século", de Silva Graça; "A Capital", de Manuel Guimarães; e também pela "Luta", "República", "Rebate", "Notícias da Tarde", "O Povo", etc. Assinava muitas vezes como “João Verdades”. No "O Micróbio", como redactor literário, adoptou o pseudónimo “Titan”. Dedicar-se-á também ao teatro, estreando-se como autor, em Novembro de 1889, com a revista "Farroncas do Zé. Também publicou algumas dezenas de livros com crónicas, contos, novelas e romances."
(Fonte: Hemeroteca Digital de Lisboa)
Exemplar brochado em bom estado geral de conservação. Capas frágeis com defeitos.
Muito invulgar.
20€

Sem comentários:

Enviar um comentário