24 junho, 2018

CARVALHO, Joaquim Martins de - OS ASSASSINOS DA BEIRA. Novos apontamentos para a historia contemporanea. Por... Redactor do Conimbricense. Coimbra, Imprensa da Universidade, 1890. In-4.º (23,5cm) de VII, [1], 359, [1] p. ; E.
1.ª edição.
Importante subsídio para a história do período pós-guerra civil, época em que a banditagem (protegida por interesse locais e políticos à escala nacional) assolou, sobretudo, o centro do país, passando as Beiras a ferro e fogo, roubando e matando, impondo o medo e colocando em alvoroço as populações desprotegidas.
"A historia das atrocidades praticadas na Beira em seguida ás guerras civis é uma lição que deve aproveitar a todos. São ellas consequencia funesta de causas ainda mais funestas. A desordem arrasta consigo um cortejo de desgraças que se multiplicam e estendem por largo espaço de tempo. Abrem-se e rasgam-se feridas; e ainda que se curem, conservam demorados vestigios, vestigios que muitas vezes gretam e gottejam sangue. Ensarilharam-se as armas em 1834; mas á sombra da paz a violencia desenvolveu-se em assassinatos e roubos, resultado da fraqueza das leis. Estas, como se sabe, só podem dominar com a tranquilidade publica, unida estreitamente com o completo restabelecimento da ordem.
Uma lusta sangrenta de odios politicos degenerou na vindicta particular e no desenfreamento do crime. Eis o que mostra este livro.
Sustentámos sempre como liberaes o pendão da causa democratica, symbolizada então em D. Pedro IV; mas se estygmatisámos e condemnámos os desacertos e malfeitorias do partido miguelista, desenrolamos com a mesma imparcialidade a pagina negra que enlutou as duas Beiras nos primeiros annos do regimen liberal. D. Miguel entendeu que poderia sustentar-se com a repressão por meio dos supplicios; o liberalismo julgou util viciar o systema eleitoral com a corrupção e cumplicidade dos bandidos. Ambos erraram e ambos amargaram os seus erros."
(Excerto do preâmbulo)
Índice:
Preambulo. I - Immoralidade governativa. II - O governador civil de Coimbra, Maldonado. III - Morte do Ferreiro de Varzea de Candosa. IV - Politica corruptora nas eleições. V - Attitude do Conimbricence perante os assassinos. VI - O administrador de Taboa, Costa Amaral. VII - Ameaças de João Brandão e resolução do governador civil. VIII - Eleição de um deputado pelo circulo da Louzã. - Fulminante resposta do Conimbricence ao sicario João Brandão. IX - Os dois cavalheiros de industria, Lima Valentão e Sebastião de Brito. X - Os assassinos e a relação do Porto. XI - O grande sicario Antonio Rodrigues, o Boa Tarde. XII - Ainda os assassinos e a relação do Porto. - Evasão de um facinora. XIII - Tolerancia para com os sicarios. - Terror nos jurados, inspirado pelos assassinos. XIV - O juiz de direito de Arganil, Joaquim José da Mota. - Apresentação de João Brandão na cadeia de Arganil. XV - Transferencia de João Brandão para Coimbra e regresso para Arganil. - Audiencia de julgamento e adiamento d'ella. - Absolvição escandalosissima dos scelerados. XVI - Continuam os assassinatos na Beira. - Morte de Manuel Antonio Marçal e João Maximino Dias. XVII - Ligações politicas da auctoridade progressista com os assassinos. - Eguaes ligações da opposição regeneradora. XVIII - João Brandão em Coimbra. XIX - O Marçal de Fozcoa. XX - O assassinato de Estanislau, de Varzea de Meruge. XXI - Antonio da Costa, o Caca. XXII - Horrorosas mortes do vigario do Ervedal, das suas criadas e da mãe d'elle. XXIII - Morte do abbade de Guardão. XXIV - Morte do juiz de direito de Midões. - Uma fera no povoado. XXV - O major Christiano, grande envenenador. XXVI - A sociedade secreta dos Invisiveis. XXVII - A quadrilha de ladrões de Montemór-o-Velho. XXVIII - Assassinatos em Montemór-oVelho. XXIX - A quadrilha de ladrões de Verride. XXX - Horrorosas carnificinas em Coimbra. XXXI - Grandes roubos. XXXII - A morte do Pirão. XXXIII - A republica do Carmo em Coimbra,. XXXIV - A ultima execução em Coimbra. XXXV - A horrorosa morte do Campeão. XXXVI - O roubo no Chão do Bispo. - Francisco Marques, o Coimbra. XXXVII - A odiosissima morte do Lazaro. XXXVIII - Os sicarios de Lavos. XXXIX - O Obeservador e o Conimbricence. XL - Os moedeiros falsos em Coimbra. XLI - Outra execução de pena ultima. XLII - Horrorosa morte e roubo do padre Januario Mendes, prior de Sameice, concelho de Ceia. - Outras mortes e roubos. XLIII - O Soares do Carregal. XLIV - Ainda o Soares do Carregal. XLV - Morte e roubo do padre Portugal. XLVI - João Nunes Ferreiro, de Varzea de Candosa. XLVII - Additamentos.
Encadernação em meia de pele com ferros gravados a ouro na lombada. Sem capas de brochura.
Exemplar em bom estado de conservação.
Raro.
Com interesse histórico.
70€

Sem comentários:

Enviar um comentário