04 março, 2018

MANTUA, Bento - QUEM ME DERA VER. (Dialogo em verso). Por... Lisboa, Tipografia L. C. G. G., 1932. In-4.º grd. (28cm) de 15, [1] p. ; B.
1.ª edição.
Capa de António Lopes - desenho datado de 1932.
Diálogo entre dois cegos num banco de jardim. - Ela é cega de nascença. Ele, apresenta no rosto cicatrizes resultantes de estilhaços de granada.

"É curta a minha história; em pouco se resume;
Tal como a de outros mais na Guerra teve origem,
Fui maduro trigal em que lançaram lume
E em cinzas se tornou, num sôpro de vertigem!

Arrancaram-me um dia, em nome de uma lei,
Aos amanhos da terra e ao grande amor dos meus;
Deram-me um uniforme e assim, logo marchei,
Para a luta travada em campos europeus.

Disseram-me ao partir: «A Pátria está em p'rigo
E é mister defender o nosso torrão natal;
Derrota a ferro e a fôgo o perfido inimigo
Ou deixa-te matar p'ra bem de Portugal»."

(Excerto da peça)

Bento Mântua (1878-1932). "Foi um dramaturgo e escritor português, e o 12.º presidente do Sport Lisboa e Benfica (1917-1926). Com mais de nove anos de exercício de funções, foi o segundo presidente com maior consulado na história do Sport Lisboa e Benfica, logo após Luís Filipe Vieira. O lançamento e conclusão do projecto Campo das Amoreiras, inaugurado em 6 de Dezembro de 1925, constituiu o marco mais importante dos seus mandatos e correspondeu, também, ao momento mais relevante e entusiástico vivido pelo clube até então. A Bento Mântua, além de uma abnegada acção benemérita a favor do clube, particularmente nas obras das Amoreiras, ficou a dever-se, em 10 de Setembro de 1918, a realização do primeiro jogo nocturno de futebol, no campo da Avenida Gomes Pereira, o incentivo ao primeiro campeonato de hóquei em patins, onde chegou a oferecer os prémios, e a organização do torneio anual de atletismo inter-clubes, único que se realizou durante a Grande Guerra. À semelhança de Félix Bermudes, Bento Mântua foi um homem de cultura, destacando-se como dramaturgo e escritor dramático. Há quem o considere um dos criadores do teatro regionalista. Colaborou na publicação periódica Atlântida (1915-1920) e também no semanário Azulejos (1907-1909)."
(Fonte: wikipédia)
Exemplar brochado em bom estado de conservação. Capas com sinais de humidade.
Raro.
Indisponível

Sem comentários:

Enviar um comentário