29 abril, 2016

CORREIA, José - MEMÓRIAS DE UM GUARDA-NOCTURNO. [S.l.], [s.n. - Composto e impresso nas Grandes Oficinas Gráficas "Minerva", de Gaspar Pinto de Sousa & Irmão, Vila Nova de Famalicão], 1939. In-8.º (19cm) de 151, [1] p. ; B.
1.ª edição.
"Não conheci a mãi.
Meu pai era um ferreiro, um pobre ser sem nome , uma figura nula neste arcaboiço informe da vastidão social.
Magro, doente, vestido parcamente de roupela ensebada; uns olhos luzidios onde habitava a calma dos ascetas; cansado ao menor esfôrço para ganhar a vida - se é a morrer de doente que esta vida se ganha - tinha um coração de ouro aberto ao cristianismo, aberto à dor alheia."
(excerto do Cap. I)
"Eu sou guada nocturno. E porque o sou, devo-o a um camarada, com aspirações altas de subir, que conheci na tropa.
Eu cheguei a saber, à custa dele, o francês mais vulgar dos romances baratos.
Ele emprestou-me livros, os seus livros, que, como cavadores, alegres, diligentes, me desbravaram larga, fartamente, o matagal espêsso da ignorância.
Devo a êle este cargo, triste cargo, que me redime e mata a tôda a hora: o cargo de guardião, ou de guarda-nocturno duma grande cidade."
(excerto do Cap. II)
Exemplar brochado em bom estado de conservação. Capas algo sujas, com defeitos. Margem lateral da capa aparada para além do corte das folhas.
Raro.
15€

Sem comentários:

Enviar um comentário